Apesar dos investimentos com a INCO serem tributados pelo próprio empreendedor, ainda é preciso declará-los no Imposto de Renda, caso você se enquadre nos critérios que obrigam a declaração.

Basicamente, se você recebeu mais de R$ 28.559,70 de renda tributável no ano (salário, aposentadoria ou aluguéis, por exemplo), é obrigado a declarar.

Outros casos são:

  • Ganhou mais de R$40 mil isentos, não tributáveis ou tributados na fonte no ano (como indenização trabalhista ou rendimento de poupança);
  • Teve ganho com a venda de bens (casa, por exemplo);
  • Comprou ou vendeu ações na Bolsa;
  • Recebeu mais de R$ 142.798,50 em atividade rural (agricultura, por exemplo);
  • Tem prejuízo rural a ser compensado no ano-calendário de 2019 ou nos próximos anos;
  • É/era dono de bens de mais de R$300 mil;
  • Passou a morar no Brasil em qualquer mês do ano anterior e ficou aqui até 31 de dezembro;
  • Vendeu um imóvel e comprou outro num prazo de 180 dias, usando a isenção de IR no momento da venda.

Ou seja, se você não se enquadrar em ao menos UMA das situações acima, não é necessário declarar o IR. 

Caso se enquadre, esse post explicativo é um guia de como declarar.

Assim como nos anos anteriores, a declaração do IR 2020 poderá ser preenchida e entregue de três formas:

  • Em qualquer computador, baixando o programa do IR 2020
  • Diretamente no site da Receita, apenas para quem possui Certificado Digital. Basta acessar o serviço “Meu Imposto de Renda”, no centro virtual de atendimento (e-CAC) da Receita. 

Você que é investidor da INCO e precisa declarar o IR, precisa seguir os seguintes passos:

Informar o valor do empréstimo realizado (valor investido, sem qualquer bônus que possa ter sido somado) no ano de transmissão do valor em Bens e Direitos.

No ano de retorno do investimento, isto é, do recebimento dos juros, informar os Rendimentos.

Assim, para cada operação, proceder:

Bens e Direitos

51. Crédito decorrente de empréstimo: se o valor do direito for igual ou superior a R$5.000,00.

Informações: valor do crédito (Saldo), prazo e condições estipuladas (conforme contrato de investimento), nome e número de inscrição no CPF ou CNPJ do devedor.

Rendimentos

Para pessoa física, os rendimentos se equiparam aos de operações de renda fixa, para fins de incidência do imposto de renda na fonte. Tal tributação é considerada como definitiva, desta forma os rendimentos auferidos não integram a base de cálculo do imposto de renda na Declaração de Ajuste Anual, porém devem ser informados na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”. Deve ser informado no momento/ano calendário do recebimento dos juros (Rendimentos).

No sistema, aparece como: “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva – Outros Linha 12”.

Agora que você já sabe mais sobre a declaração do imposto de renda e sobre como fazê-la de forma adequada sendo um investidor da INCO, aproveite para adiantar esse processo e ficar em dia com o fisco.

Qualquer dúvida sobre a declaração dos investimentos da INCO, entre em contato com nossa equipe pelo chat aqui no site.

Encontrou sua resposta?